Você sabe o que é COE? Entenda e aprenda a investir! | Focalise
Renda Variável

Você sabe o que é COE? Entenda e aprenda a investir!

O que é COE
Focalise
Escrito por Focalise

Entre as diversas opções de investimento que existem no mercado financeiro, uma vem atraindo a atenção dos investidores brasileiros nos últimos anos. Estamos falando do COE, o Certificado de Operações Estruturadas.

Apesar de ser uma novidade no Brasil, esse tipo de investimento já é muito conhecido em países de economia mais desenvolvida. Sua principal característica é a possibilidade de se obter ganhos mais expressivos, como os de renda variável, sem abrir mão da segurança oferecida pelas aplicações de renda fixa.

Ficou interessado? Então continue lendo este post. Falaremos sobre o que é o COE, como essa modalidade de aplicação funciona e como você pode aproveitar essa oportunidade para diversificar sua carteira de investimentos. Confira!

Saiba o que é o COE

O COE é um investimento ideal para quem busca retornos mais atrativos em suas aplicações, mas ainda tem receio de se aventurar no mundo da renda variável. Ele permite o acesso a uma grande variedade de ativos do mercado internacional, como ações de empresas e índices de bolsas estrangeiras, com garantias que atraem até mesmo os investidores mais conservadores.

Até 2015, os investimentos em COE estavam disponíveis apenas por meio dos bancos, que os ofereciam aos seus clientes de maior renda. Contudo, em outubro de 2016, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão responsável pela fiscalização do mercado financeiro, regulamentou a oferta pública do COE, permitindo sua negociação também por meio de corretoras e distribuidoras de valores.

Entenda como funciona esse investimento

Você deve estar se perguntando como funciona esse investimento que une características de renda fixa e renda variável, certo? Veja a seguir como ele é simples!

Os investimentos em COE são atrelados ao desempenho de um indicador financeiro. Além de bolsas de valores e ações, como já mencionamos, também é possível aplicar no mercado de câmbio, taxas de juros, inflação, commodities, etc.

As regras de rentabilidade da aplicação são estabelecidas pelo emissor do papel com base nas projeções futuras do índice escolhido, sendo possível apostar tanto na alta quanto na queda dos números. Desse modo, o retorno é definido para cada cenário possível ao fim do contrato de investimento. Alguns casos contam inclusive com uma alavancagem sobre o rendimento, o que quer dizer que se o ativo no qual o COE aplicou render 10%, aquele COE pode, por exemplo, render 30% (considerando aqui uma alavancagem de 3 vezes).

O aporte mínimo inicial costuma ser de R$5 mil, podendo variar de acordo com a instituição financeira escolhida. Quanto aos prazos, eles dependem do ativo escolhido, podendo normalmente ser de 6 meses até 5 anos de aplicação.

Conheça as modalidades de investimento

Outro fator muito importante na hora de definir a rentabilidade de um COE é a modalidade de investimento. Para não se expor a grandes riscos e garantir a segurança da aplicação, é preciso optar pelo plano com valor nominal protegido.

Nessa modalidade, o investidor tem a garantia de receber o valor investido de volta caso as expectativas traçadas não se concretizem. Em função disso, seus lucros costumam ser limitados, mas, ainda assim, podem superar em muito as aplicações de renda fixa tradicionais.

O COE também oferece opções para investidores mais arrojados, que aceitam enfrentar maiores riscos em troca de remunerações ainda mais atrativas. No plano com valor nominal em risco, de acordo com os números registrados pelo índice escolhido, podem ocorrer perdas que chegam até o total do montante investido. Essa opção exige muito mais tolerância às oscilações e experiência no mercado financeiro, contudo, os lucros para quem investir no índice certo podem ser muito interessantes.

Veja um exemplo de aplicação em COE

Veja um exemplo prático para entender como esse investimento pode ser vantajoso. Temos uma aplicação em um COE atrelado ao valor das ações de uma determinada empresa, com prazo para resgate de um ano. Para evitar perdas, também escolhemos o plano com valor nominal protegido.

As regras de rentabilidade são as seguintes: se o valor das ações se mantiver estável ou cair, não há rendimento; em caso de valorização de até 25%, o retorno será proporcional à alta das ações; se a valorização for maior que 25%, os ganhos se limitam a essa mesma porcentagem.

Imagine que, no início do investimento, o valor das ações é de R$15,00, tendo saltado para R$18,00 ao final do prazo de um ano — uma valorização de 20%. Para facilitar a comparação, o investimento em títulos públicos atrelados à taxa Selic, um dos mais populares atualmente, teve rendimento médio de 8% ao ano.

Dessa forma, mesmo sem atingir o rendimento máximo, nessa aplicação o investidor receberia 20% de juros, o que já é muito mais interessante do que qualquer investimento de renda fixadisponível no mercado. E se acontecesse o pior dos cenários, o investidor receberia de volta o valor investido, sem nenhum reajuste.

Conheça as vantagens e os riscos

Além dos retornos mais atrativos, o investimento em COE também possibilita a diversificação da carteira de investimentos. Mesmo sem grandes conhecimentos sobre o mercado de renda variável é possível investir em diversos ativos que dificilmente seriam acessados de maneira individual.

Outra vantagem é a tributação simplificada, com incidência apenas de Imposto de Renda, independentemente do ativo escolhido. A cobrança obedece à mesma tabela regressiva dos investimentos em renda fixa, reduzindo a alíquota conforme o tempo de aplicação — de 22,5% para aplicações de até 6 meses e 15% para aplicações de mais de dois anos.

Analisar os riscos também é fundamental antes de se fazer qualquer investimento. No caso do COE, um deles é o custo da oportunidade, uma vez que o investidor pode receber a quantia aplicada de volta sem nenhuma correção, nem mesmo o ajuste inflacionário. Desse modo, seria mais vantajoso aplicar em um papel de renda fixa com rentabilidade garantida.

Também é importante considerar que o COE não conta com a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o que aumenta a necessidade de se investir em instituições financeiras sólidas — afinal de contas, você não quer perder seu dinheiro, não é mesmo?

Estude cada opção antes de investir

Como falamos, existem várias formas de se investir em COE, algumas mais seguras e outras mais arriscadas. Além disso, cada produto tem uma projeção estimada e uma maneira de remunerar seu investidor.

Por isso é essencial que antes de fazer o investimento você leia com atenção todos os documentos disponibilizados pela corretora. Você deve procurar informações sobre o investimento mínimo, a classificação dos produtos, o risco, se há ou não capital protegido, data de vencimento e expectativas de ganhos.

Somado a isso, você também deve ter acesso a materiais publicitários, documentos de informações essenciais da oferta, racional de investimentos, lâmina de fundo, etc. A documentação varia de acordo com cada COE.

Além de estudar esses materiais a fundo, outra coisa a ser feita é pesquisar pelos produtos oferecidos no COE (empresas, bancos, moedas, etc), entendendo suas oscilações nos últimos anos. Pesquise também qual a expectativa dos analistas para cada ativo.

Mas atenção: não demore em suas pesquisas. Os COEs não ficam abertos por muito tempo e, assim que um produto bom é encontrado, a compra precisa ser feita imediatamente. Normalmente eles ficam abertos para investidores por apenas 5 dias.

Veja um caso real de sucesso com o COE

Um grande caso de sucesso de COE aconteceu ano passado, com início em 31 de janeiro e término em 31 de julho. Esse COE, em especial, foi encerrado na primeira observação, entregando 10% de rendimento a seus investidores. Sabe o que isso significou na época? Que esse COE teve o retorno de 185% do CDI em seis meses — isso mesmo, 185% do CDI em seis meses!

Mas o que esse investimento tinha de tão especial? Esse COE era composto por renda variável. Seus ativos eram as ações da Apple, da Google e do Facebook. Como todas elas valorizaram no período, o ganho dos investidores foi alto.

Um rendimento como esse pode até parecer estranho à primeira vista! Mas de julho de 2016 a setembro de 2017, mais de seis mil aplicações em COE foram feitas e encerradas antecipadamente, com ganhos tão elevados quanto o exemplo acima.

Conte com a ajuda de um assessor de investimentos

Apesar de “o maravilhoso mundo do COE” parecer acessível a qualquer pessoa, a realidade não é bem essa. Esse investimento tem várias armadilhas que podem mascarar sua real rentabilidade e dificultar a decisão até mesmo de investidores experientes.

Por isso, mesmo que seu objetivo seja usar o COE para um dia chegar a investir em renda variável, é fundamental ter o suporte de especialistas antes de fazer a aplicação. Essa atitude traz mais segurança para seu patrimônio e pode, inclusive, aumentar seus lucros. E afinal de contas: se um bom assessor elevar seus ganhos, a contratação dele é mais lucrativa do que atuar sozinho no mercado financeiro, concorda?

Saiba como iniciar os seus investimentos em COE

Para começar a investir em Certificados de Operações Estruturadas basta procurar pelo auxílio de uma corretora de valores. Essa empresa oferece todo o suporte que você necessita para fazer os melhores negócios nesse novo mercado, de acordo com o seu perfil de investidor.

Lembre-se de verificar se a instituição escolhida está autorizada junto à CETIP (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos) para operar investimentos em COE. Dessa forma, você garante a sua segurança durante todo o processo.

Devido às suas características únicas, essa modalidade de investimento vem ganhando popularidade a cada dia. E agora que você já sabe o que é COE, essa é uma ótima oportunidade para diversificar os seus investimentos e aumentar consideravelmente seus ganhos, mas sem deixar de lado a segurança!

E aí, gostou do COE, mas ainda quer mais opções para investir? Se você tem algum dinheiro sobrando, dê uma olhada no nosso Guia de investimentos financeiros para quem tem alta renda. Tem opções que podem ser interessantes para você por lá!

Sobre o autor

Focalise

Focalise

A Focalise surgiu da necessidade dos investidores em ter um ambiente para o debate, educação e apoio às decisões no mercado de capitais.

Buscamos informar, orientar, educar e oferecer serviços que facilitem o entendimento e a identificação das oportunidades de investimentos.

Share This
Navegação
[d]
[d]
[d]
[d]