Investir em empresas: afinal, quais as vantagens e desvantagens?
Renda Variável

Investir em empresas: afinal, quais as vantagens e desvantagens?

investir em empresas
Focalise
Escrito por Focalise

Investir em empresas é uma forma eficaz de multiplicar patrimônio sem, necessariamente, a pessoa ter que abrir o próprio negócio ou colocar a “mão na massa” em determinado segmento da economia.

Se você já ouviu histórias de empreendedores ou teve uma experiência pessoal de abertura de um estabelecimento do zero, deve saber que conhecimento, esforço, tempo e capital são requisitos para que uma atividade empresarial realmente deslanche, não é mesmo?

Na prática, nem sempre o indivíduo tem disponibilidade para atender todos esses critérios.

E se ele pudesse investir em um negócio já em andamento, com uma estrutura formada? No mercado de ações, isso é possível, uma vez que o investidor aplica recursos em companhias que têm histórias relativamente consolidadas.

Como ocorre com qualquer aplicação financeira, há os prós e os contras de se colocar dinheiro na bolsa de valores. Para ajudá-lo a fazer uma boa escolha, apresentamos, em seguida, os pontos negativos e os positivos desse tipo de investimento. Confira!

Desvantagens de investir em empresas

Por não existir uma aplicação 100% perfeita, ou seja, ideal para todos os momentos e para todas as pessoas, é necessário que você conheça alguns pontos negativos do mercado de ações. Veja só!

Maior risco nas operações

Quando se fala em bolsa de valores, não se pode esquecer que lá são negociados principalmente os ativos de renda variável. Com milhões de transações diariamente, compradores e vendedores trocam os chamados papéis (ações das empresas) e, ao mesmo tempo, definem as cotações (preços dos ativos) por meio da lei da oferta e da procura.

Como o mercado é muito grande, dificilmente algum investidor teria condições de controlar a movimentação das cotações. Quem tenta burlar o sistema é descoberto com certa rapidez — pelos demais participantes do mercado, pela própria bolsa ou, ainda, pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que é a entidade responsável por supervisionar esse tipo de investimento.

Nesse contexto, como não consegue controlar as subidas e as descidas das cotações, o investidor deve realizar um constante gerenciamento de risco, para saber a hora certa de entrar e de sair das operações, tanto para potencializar ganhos quanto para reduzir perdas.

Sobe e desce das crises financeiras

A volatilidade ou, de modo mais simples, a oscilação dos preços, é uma característica própria do mercado de ações. Por isso, quem pretende investir em empresas deve considerar essa condição antes de fazer qualquer tipo de transação.

De modo geral, o sobe e desce das cotações ocorre todos os dias, por exemplo, devido a aspectos microeconômicos, como a situação individual da companhia. Nesse sentido, bastam a troca de um diretor ou a divulgação de um balanço desfavorável para que os preços caiam.

Além disso, aspectos macroeconômicos, como variações da taxa básica de juros (Selic), do dólar, do Produto Interno Bruto (PIB), da inflação, entre outros fatores, podem refletir no desempenho do mercado acionário como um todo.

Previsibilidade reduzida

Quem investe na chamada renda fixa, da qual fazem parte os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) e a caderneta de poupança, na maior parte das vezes, sabe de antemão qual será a performance da aplicação.

Por outro lado, na renda variável, o grau de previsibilidade dos acontecimentos é reduzido. Mesmo que exista a análise técnica ou gráfica, pela qual se tenta prever os próximos passos das cotações das ações, não se consegue um nível de exatidão como há na renda fixa.

Procedimento mais trabalhoso em clubes de investimento

A pessoa que não quer investir em empresas sozinha pode se juntar a outras, para formar um clube de investimento. Em princípio, a ideia é unir forças para aumentar o capital e, assim, poder diversificá-lo de modo mais adequado. Ainda assim, existe certa burocracia para se formar um clube, sem contar que é necessário ter alguém para ser responsável pela gestão do patrimônio envolvido.

Vantagens de investir em empresas

Agora que você já viu alguns pontos negativos do investimento em ações, é preciso conhecer o lado positivo desse mercado que atrai cada vez mais interessados. Confira!

Possibilidade de ganhos regulares

O fato de o mercado de ações ser marcado por altos e baixos não significa que seja impossível obter rendimentos regulares na bolsa de valores. Na verdade, conforme a composição da carteira de ativos montada pelo investidor, existe, sim, a possibilidade de se obter lucros com certa regularidade.

Por exemplo, ao escolher as companhias que sejam distribuidoras de dividendos (participação nos resultados), o investidor pode ter uma espécie de “renda fixa” na bolsa.

Investimento home office

Se, no passado, investir em empresas era algo mais trabalhoso, hoje em dia, com o avanço da Internet, é possível fazer tal tipo de aplicação em questão de segundos. Da própria casa, o investidor pode utilizar as plataformas chamadas de home brokers, oferecidas pelas corretoras de valores, para poder negociar ações na bolsa.

Nesses sistemas, também se pode ver, em tempo real, a movimentação dos preços das ações e, assim, tomar decisões mais embasadas. É bem verdade que, para fazer escolhas fundamentadas, o investidor precisa se aprofundar no estudo do mercado acionário. Dessa maneira, ele aumenta as chances de alcançar resultados positivos na bolsa.

Potencial para alto rendimento

Se existe um aspecto atrativo no mercado de ações de empresas é a possibilidade de conquista de ganhos expressivos, que podem até ultrapassar os 100% de lucro em alguns casos.

Como as cotações são formadas com base nas transações entre compradores e vendedores das ações, a percepção do mercado acerca do potencial de determinado ativo influencia na valorização do papel. Assim, se os investidores identificam que uma companhia tem boas perspectivas na economia, a tendência é de que estejam dispostos a pagar mais pelas respectivas ações.

Desse modo, não há um limite pré-fixado para a alta dos preços, senão a própria percepção do mercado em relação ao potencial de valorização do ativo.

Capacidade de investir em empresas de renome

Nem sempre a pessoa tem o dinheiro suficiente para abrir um negócio ou, até mesmo, ser sócia de uma empresa de capital fechado. Porém, quando se trata das companhias de capital aberto, cujas ações são negociadas na bolsa de valores, com um valor relativamente reduzido, é possível tornar-se acionista.

Assim, o investidor pode “surfar” na onda de crescimento de diferentes empresas, sem precisar ter que se comprometer juridicamente como um administrador do negócio. Afinal, se perceber que a companhia não vai mais para frente, é só se desfazer das ações na própria bolsa.

Como você pôde notar, investir em empresas envolve prós e contras. Para poder se destacar no mercado acionário, você deve ter o conhecimento necessário para saber agir nesse ambiente. Quer aprender mais? Então, leia também o post “Tudo que você precisa saber para investir em ações”. Vamos lá!

Sobre o autor

Focalise

Focalise

A Focalise surgiu da necessidade dos investidores em ter um ambiente para o debate, educação e apoio às decisões no mercado de capitais.

Buscamos informar, orientar, educar e oferecer serviços que facilitem o entendimento e a identificação das oportunidades de investimentos.

Share This
Navegação
[d]
[d]
[d]
[d]