Por que Isaac Newton faz falta às finanças? | Carta do Economista
Carta do Economista

Por que Isaac Newton faz falta às finanças?

Investir em Bancos ou Corretoras
Mateus Weirich
Escrito por Mateus Weirich

Recentemente, fui convidado a dar uma palestra sobre Mercado Financeiro em uma universidade da região.  Durante o evento, questionei um estudante em quais dos seguintes CDB’s ele aplicaria: Em um rendendo 120% do CDI ou em um rendendo 85% do CDI?

Vale a ressalva que a aplicação mais rentável é de um Banco de médio porte. O menor rendimento é, como a maioria já está acostumada, de um “Bancão” (que eu não vou citar os nomes porque vocês já devem conhecer…).

Eu francamente esperava uma resposta óbvia (uma vez que a minha pergunta foi óbvia), mas, surpreendentemente, ele me respondeu que colocaria um pouco em cada…

Naquele instante de perplexidade, percebi que somente Newton seria capaz de justificar uma resposta dessa.

Consagrado por analisar o movimento dos corpos, o físico eternizou seu nome na história da ciência ao postular as famosas Leis de Newton.

Vale a pena relembrá-las:

Primeira Lei:  Princípio da Inércia (corpo tende a permanecer em seu estado a menos que tenha uma força atuante sobre ele).   

Segunda Lei: Princípio da Força Resultante (A mudança de movimento é proporcional a força aplicada),

Terceira Lei: Ação e Reação (A toda ação há sempre uma reação de igual intensidade).

Agora… Como isso se relaciona à resposta do aluno universitário?

Ao aplicar em um CDB (Certificado de Depósito Bancário) o investidor está emprestando seu dinheiro a uma instituição financeira. Nesse tipo de ativo (independente do emissor), o cliente está coberto pelo FGC. Para quem ainda possui dúvidas sobre o funcionamento deste Fundo, recomendo a leitura do artigo Como funciona o FGC – Fundo Garantidor de Créditos?.

Mas se o Fundo Garantidor protege o investidor em ambos os casos, por que o aluno optou em deixar um pouco em cada?

Newton explica!

Por muitos anos, os brasileiros estiveram em “estado de Inércia” em relação aos seus investimentos. Ao pensar em ativos financeiros, nosso cérebro nos remetia automaticamente ao banco. Hoje, corretoras entraram no jogo e o tornaram muito mais atraente para quem quer fazer o seu dinheiro render mais.

Mas como sair dessa inércia? Basta consultar a Segunda lei de Newton.

Conforme ela, é necessário que seja aplicada uma força para que um determinado corpo saia de sua inércia. Dessa forma, o investidor deve usar sua “força interior” saindo da sua “zona de conforto” e buscando as alternativas que estão cada vez maiores e disponíveis no mercado.

Quem conseguir isso, provavelmente, testará na prática os efeitos da Terceira Lei. Ao realizar a Ação de buscar alternativas com taxas melhores e mesmo risco, sentirá uma reação de mesma proporção: “mais dinheiro no bolso”.

Sobre o autor

Mateus Weirich

Mateus Weirich

Graduado em Ciências Econômicas pela UFRGS.

Certificado pela ANCORD.

Investidor desde 2008.

Share This
[d]
[d]
[d]
[d]