Volatilidade, para que te quero?? | Carta do Economista
Carta do Economista

Volatilidade, para que te quero?

o que é volatilidade no mercado financeiro
Mateus Weirich
Escrito por Mateus Weirich

“O Brasil não é para principiantes” já nos alertava Tom Jobim. Mesmo essa frase sendo dita há décadas, não poderia estar mais atualizada.

Definitivamente, não está fácil ser brasileiro nesses últimos anos. Lidar com crise política, com crise econômica, com intermináveis escândalos de corrupção e, principalmente, com incertezas de qual rumo (de fato) estamos seguindo, tornam o ambiente na terra do futebol muito turbulento.

Turbulência essa que reflete direta e intensamente no mercado. Dólar batendo patamares de março de 2016, bolsa perdendo bilhões em valores de mercado e índice futuro de juros retomando um caráter altista.

Nunca esqueçam: Toda incerteza gera volatilidade.

E volatilidade, se não bem entendida, gera perdas.

Mas então Mateus, quando o mercado apresentar alta volatilidade devo retornar para à poupança?

Resposta simples e direta: Não!! De jeito nenhum!

Cenários com maior volatilidade também podem gerar boas oportunidades. Seja na renda fixa (devido à pressão para cima no DI futuro), seja na Renda Variável (nas assimetrias geradas em alguns ativos ou no bom e velho trade mesmo).

Por sinal, para muitos traders que operam bolsa ou mercados futuros, tais como Dólar, mini dólar, índice ou mini índice, momentos assim são aguardados quase que “ansiosamente”. Claro que para operar renda variável em um cenário assim é necessário muito estudo e muitas “horas de tela”.   

Para aqueles que querem buscar rentabilidades maiores do que as convencionais dentro desse ambiente, mas com alguns riscos mitigados, há também outras possibilidades.

Hoje, plataformas de corretoras de grande porte oferecem diversas estruturas com opções que permitem o investidor buscar bons retornos com riscos mitigados. É o caso das operações Return Under Barrier Investment, mais conhecida como operações RUBI.

Outra opção é o Certificados de Operações Estruturadas (COE). Uma maneira inteligente de buscar o up side da renda variável e, ao mesmo tempo, se proteger (nominalmente) de momentos de alta volatilidade como o que estamos vivenciando agora.

Afinal, Volatilidade para que te quero?

Resposta: Te quero para extrair o melhor que tu podes me dar!

Vale a pena lembrar que ter referência de pessoas experientes e especialistas em mercado financeiro ajuda muito na tomada de decisão, principalmente nesse cenário!!

Para aqueles que desejam maiores informações sobre os instrumentos mencionados acima, a equipe da Focalise segue à disposição para maiores esclarecimentos!

Sobre o autor

Mateus Weirich

Mateus Weirich

Graduado em Ciências Econômicas pela UFRGS.

Certificado pela ANCORD.

Investidor desde 2008.

Share This
Navegação
[d]
[d]
[d]
[d]